Um pouco mais sobre Ortomolecular e por que funciona tão BEM

By 1 de junho de 2011 Categorizar No Comments

Um pouco mais sobre Ortomolecular e por que funciona tão BEM

Ortomolecuar (Biomolecular) – estratégia diagnóstica e terapêutica de valor reconhecido em medicina

O Fantástico normalmente exibe reportagens não só de alto padrão de qualidade mas usualmente úteis para a comunidade. Esta tendência geral, entretanto, não foi seguida na produção e veiculação da matéria sobre “medicina ortomolecular” exibida no dia 21-03-10 pela Globo (curiosamente, a Globo retirou do seu site a polêmica reportagem exibida “do ar”… Provavelmente por perceber o quanto estava levianamente equivocada e mesmo “maldosa” para com os conhecimentos científicos e mundialmente aceitos da ortomolecular – cada vez mais aceitos e utilizados, em geral, com sucesso).

De fato, há bons e “maus” profissionais em qualquer área de atuação do ser humano mas nunca podemos julgar toda uma categoria ou vertente do conhecimento pelo desempenho de poucos. Em Medicina, por exemplo, se alguns clínicos gerais não exercem direito sua atividade médica, seria por isto toda a Clínica Geral condenável e destarte doravante destituída de qualquer utilidade ou confiabilidade? Com certeza, não.

Por isto, atentemos para alguns aspectos da matéria do Fantástico em discussão para que muitos dos equívocos cometidos sejam desfeitos e esclarecidos, em benefício de toda a população:

1 – A “Medicina ortomolecular” não existe. Isto porque o Conselho Federal de Medicina (CFM) ainda não a reconhece como especialidade médica, ainda que esteja constantemente avaliando o assunto, tendo-se em vista os milhares de artigos científicos existentes, já há décadas, que comprovam a utilidade e benefícios da aplicação de conhecimentos ortomoleculares em benefício da saúde humana. Entretanto, o valor das práticas ortomoleculares em Medicina é tão reconhecido pela comunidade médica que o CFM já reconhece sua aplicabilidade e adequação há mais de uma década, pelo menos desde 1998, quando foi emitida a Resolução de número 1500 do ano de 1998 (visualize a resolução), revista e atualizada para documento mais recente, a Resolução de numero 1938 de 2010 (visualize a resolução).

2 – A maioria dos médicos usa diariamente princípios da ortomolecular, só não sabe que assim está fazendo por desconhecimento do que realmente é esta área da Medicina; por exemplo, seu médico recomenda vitamina C para resfriados? Suplementos de vitaminas e minerais para cansaço? Vitamina D e Cálcio para osteoporose? Ferro para anemia? Então ele, de certa forma, usa o raciocínio e preceitos ortomoleculares, mesmo que sequer os reconheça.

3 – O que é ortomolecular (ou biomolecular)?

O corpo humano é uma máquina completa e seu funcionamento correto permite a realização das atividades do dia-a-dia com eficácia e qualidade de vida. Quando não está em harmonia, seja por fatores internos ou externos, podem aparecer as doenças. De forma bem resumida: as práticas ortomoleculares visam neutralizar os radicais livres e suas nefastas ações por todo o corpo e mente, suplementar nutrientes que estejam faltando, remover substâncias em excesso (intoxicações) e combater elementos estranhos nas células do organismo para corrigir desvios no metabolismo e proporcionar mais saúde ao paciente.

4 – Por ainda não ser especialidade médica reconhecida pelo CFM, a ortomolecular no Brasil é exercida por muitos profissionais, desde terapeutas a médicos, curiosos a profissionais treinados, éticos ou não. O ideal entretanto é que, como atua em todo o corpo e mente, somente fosse utilizada por médicos, tendo-se em vista o maior treinamento destes profissionais em saúde e maior conhecimento de anatomia, fisiologia, bioquímica, clínica, patologia e várias outras áreas fundamentais ao melhor entendimento dos processos de saúde e doença. Em outras palavras, quando um profissional sem conhecimento adequado e/ou suficiente é procurado para orientar um tratamento em medicina, decerto não o fará direito e sua atuação pode até mostrar-se contra-indicada e mesmo perigosa. Por isso, quem deseja uma abordagem realmente ortomolecular da sua saúde deve procurar antes de mais nada um médico e preferencialmente que tenha cursos de formação e atualização (constantes) específicos, de qualidade, em ortomolecular.

5 – O teste da gota de sangue citado na reportagem é conhecido como Análise Celular in vitro (ACIV, também chamado de HLB) e é apenas um dos exames utilizados pela ortomolecular, quando julgado necessário pelo médico; não é “vetado” pelo CFM e está embasado em inúmeras evidências científicas internacionalmente aceitas, só não tendo ainda parecer formal acerca de si por parte do CFM. Na matéria em questão, o Fantástico pediu opiniões a dois médicos, um cardiologista e um hematologista, decerto reconhecidamente competentes em suas especialidades médicas, acerca do exame de ACIV; seus comentários, entretanto, demonstram total desconhecimento da técnica e seus fundamentos, o que até certo ponto é esperado pois em suas áreas estes profissionais decerto nunca haviam entrado em contato com as técnicas e resultados da ACIV. Em outras palavras, é como se o Fantástico tivesse pedido opinião técnica a um mecânico sobre a fabricação de pães: por mais que alguns poucos mecânicos possam até saber um pouco mais sobre o assunto, é claro que qualquer padeiro pode falar sobre isto com bem mais propriedade e acerto.

6 – Os radicais livres são moléculas instáveis que podem causar danos a todas as partes do corpo, sendo seu combate um dos grandes objetivos da ortomolecular. No sangue, entre vários efeitos maléficos, prejudicam a coagulação sangüínea mas nunca podem ser vistos diretamente através de um microscópio convencional. Na análise celular in vitro (ACIV), o que se vê ao microscópio é o coágulo formado na gota de sangue analisada que, na presença de radicais livres, fica cheio de “buracos brancos”, que são os locais onde este coágulo foi inadequadamente formado principalmente pela ação dos radicais livres. Quanto mais buracos brancos e maiores forem estes, maior a presença de radicais livres na amostra de sangue analisada. Por isso este exame, quando bem realizado, por profissional adequado e bem treinado, poderá ser analisado pelo médico com conhecimentos em ortomolecular e fornecer muitos e importantes dados acerca da saúde do paciente, úteis ao seu tratamento.

7 – O exame do fio de cabelo, também conhecido como mineralograma capilar, também é apenas mais um dos exames utilizados pela ortomolecular, quando julgado necessário pelo médico; não é “vetado” pelo CFM e está indicado quando há forte suspeita clínica de carências ou excessos de minerais específicos. Está embasado em inúmeras evidências científicas internacionalmente aceitas e tem parte da sua aplicabilidade normatizada pela resolução 1938 de 2010 do CFM (link em epígrafe).

8 – Alimentar-se bem, com certeza, fornece ao corpo todos os nutrientes que ele precisa para manter a saúde e combater eventuais doenças de forma eficaz e rápida. No mundo moderno, entretanto, quem alimenta-se totalmente direito, face ao stress, poluição, intoxicação da água e alimentos, exposição a radiação solar excessiva, emissões eletromagnéticas e tantos outros fatores agressores? Por tudo isto, freqüentemente, faz-se necessária a suplementação de nutrientes (entre eles as vitaminas e minerais), com usos e quantidades específicos para cada caso.

9 – O uso do peróxido de hidrogênio (“água oxigenada”) para o tratamento de inúmeras patologias é largamente reconhecido e utilizado internacionalmente pela comunidade médica, havendo vários livros escritos no assunto, por médicos e pesquisadores respeitados. Mais uma vez, entretanto, no Brasil, o CFM ainda não reconhece está forma de tratamento como prática médica.

10 – Todo médico deve pautar seu desempenho profissional na observância do Código de Ética Médica que, em seu artigo segundo, dispõe que:  “O alvo de toda a atenção do médico é a saúde do ser humano, em benefício da qual deverá agir com o máximo de zelo e o melhor de sua capacidade profissional”. Assim sendo, cada médico é livre para, de forma responsável e ética, considerar as formas de diagnóstico e tratamento que julgar procedentes, úteis e benéficas para cada paciente sob sua responsabilidade. De qualquer forma, atribuir sinais e sintomas ao “Espiritismo” não é prática ortomolecular, sendo a Doutrina Espírita uma religião respeitável e muito seguida no Brasil e no mundo e a ortomolecular um conjunto de estratégias médicas pautadas na bioquímica do organismo. Se um profissional médico opta por estabelecer relação entre ambas as distintas áreas, espera-se que tenha embasamento razoável para fazê-lo ou está incorrendo em conduta equivocada, até mesmo imprudente, em prejuízo do seu paciente.

Em síntese, as práticas diagnósticas e terapêuticas ortomoleculares (ou biomoleculares) são reconhecidamente científicas, úteis e eficazes pela comunidade médica internacional e pelo Conselho Federal de Medicina (vide resoluções afins) do Brasil. Devem ser executadas idealmente apenas por médicos com treinamento adequado e quando bem utilizadas trazem benefícios reais, rápidos e duradouros para a saúde e qualidade de vida dos pacientes tratados.

Leave a Reply