Cérebro, como melhorá-lo, glutamato e Alzheimer – relações

Acesse também:

www.icaro.med.br/SaudeCerebral

————–

Estudando o funcionamento do #CÉREBRO e como melhorá-lo, acabei de esbarrar com 5 textos simples e interessantes sobre o tema: um do The Blaylock Wellness Center e outro do Dr Rondó, cujos links posto abaixo, recomendando a leitura de todos:

http://www.newsmaxhealth.com/Dr-Blaylock/Alzheimers-glucose-brain-hypoglycemia/2014/04/04/id/563788/?ns_mail_uid=79237547&ns_mail_job=1563929_04122014&promo_code=kpyjpxsv

http://www.drrondo.com/pode-apostar-oleo-de-coco-melhora-a-sua-funcao-cerebral/

http://www.topgyn.com.br/conso00/noticias179.php?ultima=4566

http://veja.abril.com.br/blog/genetica/sem-categoria/doenca-de-alzheimer-como-ocorre-o-deposito-de-placas-amiloides/

http://www.centrocienciajunior.com/novidades/novidade.asp?id=1293

Aspectos principais que julgo interessantes nos 3:

– O cérebro precisa de combustíveis para funcionar, como qualquer órgão do corpo, sendo o principal a glicose (cujo excesso é tóxico para ele e aumenta sua inflamação) mas também é capaz de funcionar bem com TCMs (triglicerídeos de cadeia média) como os presentes em boa quantidade no óleo de côco;

– Na falta de combustíveis o cérebro fica mais sensível e “intoxicável” por toxinas E libera maiores quantidades de #glutamato, ficando assim mais reativo/excitado. Se este status perdura, entretanto, aumenta a neurodegeneração, justamente devida a estes fatores;

– Assume-se atualmente que parte do dano cerebral associado ao#Alzheimer é justamente causado pela restrição de combustíveis para o cérebro, especialmente a glicose; mas isto pode ser tratado/minimizado e mesmo revertido (estudos mais recentes sugerem) pela ingestão regular de quantidades suficientes de TCMs como os do óleo de côco

– No que tange ao cérebro, portanto, glicose é necessária mas em níveis ótimos e regulares, nem em falta e nem em excesso.

– Assumia-se até “recentemente” que os neurônios não precisassem de insulina para levar glicose para dentro de si e assim utilizá-la mas isso “caiu por terra” como “verdade absoluta”: hoje em dia sabe-se que o cérebro produz sua própria insulina (como o pâncreas); exatamente por isso tudo que aumente sua resistência à insulina irá afetar também a resistência à insulina dos seus neurônios, assim dificultando a entrada e aproveitamento de glicose nestes. Ou seja: está explicado também por isto como a ingestão regular de alimentos com excesso de frutose ou outros açúcares vai aumentando a resistência à insulina do organismo e isso vai afetando também os neurônios pela falta de glicose… Resultado: mal funcionamento cerebral e demências, como Alzheimer.

– Sim, o depósito excessivo de placas de beta-amilóides ainda é tido como o principal fator causal e agravante na Doença de Alzheimer, interferindo na comunicação neuronal mas as vias inflamatórias e de baixa produção de energia discutidas acima podem tanto sugerir mecanismos “sinérgicos” na doença quanto mecanismos de formação das placas ou perpetuação destas (lembremos que é o sistema glinfático, recém-“descoberto” quem faz a limpeza geral do cérebro, sobretudo à noite e é o principal responsável pela remoção das placas… Mas este sistema também precisa de combustíveis para funcionar: os mesmos já citados acima – e bom sono e boa circulação: ou seja, de hábitos de vida saudáveis, no geral, para funcionamento ótimo).

Entendido? rrs

Abraço para todos!

Comments

Deixe um Comentário

Enviar

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar