Intoxicação por Metais Pesados

Artigos Dica do Ícaro Liga da Saúde Produtividade Suplementos

Você já deve ter lido sobre os males da INTOXICAÇÃO por Metais Pesados (Alumínio, Antimônio, Arsênico, Berílio, Cádmio, Chumbo, Mercúrio, Níquel, etc), que pode causar, manter e/ou agravar muitos sintomas e doenças, tanto pelos efeitos ruins destes metais, quanto pela sobrecarga que as tentativas de desintoxicação (pelo próprio organismo) causam. Caso não conheça esses males, busque “ortomolecular e intoxicação por metais pesados” no Google e poderá ter acesso a vários textos explicando o assunto.

Ocorre que a maioria das pessoas apresenta algum grau de intoxicação, mas poucos são os pacientes diagnosticados e adequadamente tratados para ajudar o organismo a eliminar estes metais. Como são de rápido acúmulo em partes do corpo, como tecido nervoso e gorduroso, mas são eliminados com dificuldade pelas vias convencionais, o diagnóstico das intoxicações por eles não é adequadamente feito por exames de sangue ou urina (na intoxicação crônica, mais comum, podem não aparecer nestes locais, mas estarem firmemente depositados em várias estruturas do organismo) – ou seja, se infelizmente já são poucos os profissionais de saúde que reconhecem a importância desta intoxicação, menos ainda são os que sabem pedir os exames corretos para diagnosticá-la e tratá-la.

*O problema torna-se ainda maior quando constatamos que, na prática diária clínica junto a pacientes, vários tratamentos não funcionam direito enquanto o paciente não é desintoxicado.

Por causa disso, profissionais de saúde atualizados, sobretudo aqueles com conhecimentos de Estratégia Ortomolecular e que objetivam uma avaliação mais completa dos seus pacientes, têm solicitado cada vez mais exames, como o mineralograma capilar (já que sangue e urina só mostram intoxicação aguda, trânsito dos metais e/ou eliminação – processos fugazes e onde raramente são encontrados os metais tóxicos impregnados no corpo, não sendo portanto adequados para avaliação e quantificação da intoxicação crônica), para quantificar e tratar o mais precocemente possível a intoxicação por metais pesados. MAS o problema é que o mineralograma tem várias limitações (vide em https://www.icaro.med.br/seis-metodos-de-auxilio-diagnostico-em-saude-que-voce-deve-conhecer/) e as principais delas são que o resultado demora 30 a 90 dias para sair, requer cortar um pouquinho de cabelo (muita gente não gosta) e, quando são mulheres, 30 dias ou mais sem pintar cabelos (e usando shampoos e condicionadores específicos, algo do que muitas não gostam), ou o resultado pode não ser confiável.

Reitero que esta intoxicação por metais pesados é algo comum hoje em dia (tenho atendido vários casos em consultório… Na verdade, a maioria dos pacientes mostra algum grau de intoxicação considerável e por mais de um metal)! E o pior: manter-se intoxicado por metais pesados não só traz as consequências ruins pela presença dos próprios metais (e sua toxicidade local e sistêmica) como altera a digestão, absorção, metabolização e efeitos dos minerais nutrientes no organismo, como em cérebro, glândulas, intestinos (tem gente que não consegue absorver e incorporar minerais nutrientes por estar intoxicada pelos pesados, por exemplo), etc.

Leia o conteúdo destes links e vai entender ainda melhor o problema: http://www.ortomoleculardrhigashi.med.br/not%C3%ADcias/62/intoxicacao-cronica-e-aguda-por-metais-pesados-na-pesquisa-ortomolecular e http://www.drrondo.com/metais-toxicos-comuns-mal/

Encare este problema de frente – serão metais pesados as causas ou agravantes dos seus sintomas e até doenças?

Leia e entenda um pouco mais e melhor, algo que pode ajudar neste assunto: www.icaro.med.br/sensograma

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *